Hora certa:
 

Notícias

Saúde abre consulta pública para incorporar medicamento que trata a hipofosfatemia

O Ministério da Saúde recebe, até o dia 23 de novembro, pela internet, contribuições da sociedade para a incorporação do medicamento burosumabe, no Sistema Único de Saúde (SUS), para tratamento da hipofosfatemia, doença crônica debilitante e deformante que causa raquitismo. A realização da consulta pública é uma das etapas do processo de incorporação de tecnologias na rede pública de saúde. Todas as sugestões ou depoimentos enviados pela população e pela comunidade científica serão analisadas pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec).

Para participar e enviar contribuições, clique aqui. Qualquer cidadão ou instituição pode enviar contribuições ao documento. As sugestões podem ser tanto de conteúdo científico quanto um relato de experiência.

HIPOFOSFATEMIA

A hipofosfatemia é uma doença ultrarrara causada por alterações genéticas que levam a perda renal do fosfato, um mineral necessário para a formação dos ossos, deixando-os fracos. A doença é considerada um tipo de raquitismo.

Outras manifestações incluem problemas dentários e perda auditiva. Pacientes adultos podem apresentar sintomas como a osteomalácia, que é o amolecimento dos ossos, causando o aumento do risco de fraturas, fraqueza muscular, dor óssea persistente.

Por estar relacionada a uma condição genética, pode afetar vários indivíduos da mesma família. O modo de transmissão se dá pelo cromossomo X, porém, portadoras do sexo feminino geralmente apresentam sintomas semelhantes aos do sexo masculino. No mundo, a doença atinge, aproximadamente, um a nove casos a cada um milhão de pessoas, de acordo com o OrphaNet, website de referência em doenças raras. No Brasil, é possível que exista cerca de 211 a 1,9 mil pessoas com a doença.

 MEDICAMENTO

De acordo com estudos, o uso do medicamento burosumabe levou a melhora do raquitismo em crianças, da mobilidade e do crescimento. Em adultos, também houve benefícios com o uso do medicamento, porém menos consistentes do que em crianças. Apesar da expectativa de que o medicamento possa contribuir para o avanço mais lento da doença ou para melhora do prognóstico, os estudos ainda são iniciais.

 












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 3.216.79.60 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)