Hora certa:
 

Notícias

Segunda onda da pandemia no Brasil será em abril

Christopher Murray defende em congresso que segunda onda da pandemia no Brasil será em abril.

No Conahp 2020, o diretor do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME) e professor na Universidade de Washington aponta a sazonalidade como um dos fatores de maior influência na disseminação do coronavírus, que ganha força com a chegada do outono e inverno 
 
Diante da segunda onda de casos de Covid-19 registrada na Europa e nos Estados Unidos, a população brasileira se vê em alerta. Mas o diretor do Institute for Health Metrics and Evaluation (IHME) e professor na Universidade de Washington, Christopher Murray, acredita que um novo pico só deve ocorrer no Brasil a partir de abril de 2021, e a gravidade vai depender da disponibilidade de uma vacina. A análise foi apresentada durante o Congresso Nacional de Hospitais Privados (Conahp), que está sendo realizado de 16 a 20 de novembro, 100% online e gratuito. 
 
O modelo estatístico aplicado pelo IHME para análise de dados da pandemia foi desenvolvido em março, mas já em julho foi revisado e passou a analisar dados do passado recente, tendo capacidade preditiva sobre a próxima semana. O instituto leva em consideração a dinâmica da transmissão, assim como o modelo comportamental humano e dos governos, que leva em conta fatores como uso de máscara, mobilidade (que é possível medir por meio de dados obtidos a partir de celulares), taxa de isolamento social, disponibilização de testes e a sazonalidade. 
 
"No Brasil, a mobilidade medida pelos celulares [que caiu drasticamente no mês de março] aumentou no início de abril. Neste momento, já está bem próxima de antes da Covid-19, apenas 10% a 15% abaixo", revela Murray. Já em relação ao uso de máscara, o especialista analisa que a taxa de adesão cai conforme o número de casos diminuem. Em novembro, os dados analisados pelo IHME revelam que, das 27 unidades federativas, uma apresenta adesão de 65% a 69% da população, enquanto todas as outras já estão abaixo de 64%. 
 
Apesar disso, por causa da sazonalidade, o número de mortes por pneumonia - um dos indicadores de aumento de casos Covid-19 - tem queda associada à chegada do verão no hemisfério sul. "Os mesmos esforços que funcionam nos meses de verão podem não funcionar no inverno", explica Murray. "No Brasil, o timing da vacinação é que vai definir quão severa será a segunda onda." 
 
Para ele, é mandatório que os governos de todos os países reimplementem medidas de isolamento social quando os sistemas de saúde atingirem novamente níveis críticos de ocupação. "A previsão é que o Brasil chegue a 188 mil mortes até 1º de março. Se o uso da máscara for adotado por 95% da população, como acontece em Singapura, 9 mil vidas podem ser salvas até a mesma data", explica.












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 3.216.79.60 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)