Hora certa:
 

Notícias

Mitos e verdades sobre o diabetes – informações falsas afastam pacientes do tratamento

Considerado uma doença crônica, ou seja, que exige tratamento e acompanhamento contínuos, o diabetes atinge cerca de 537 milhões de pessoas em todo o mundo e deve chegar a 643 milhões até 2030, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Só no Brasil, são 16,8 milhões de adultos, 10,2% da população, de acordo com o Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2023).

Conforme a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), o diabetes mellitus é caracterizado pela elevação da glicose no sangue, sendo que a maioria dos casos diagnosticados está dividida em diabetes tipo 1 (DM1), quando o corpo não produz insulina, e geralmente identificado na infância; e diabetes tipo 2 (DM2), caracterizado pela resistência à insulina ou produção insuficiente - representa cerca de 90% dos casos, segundo a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD). Os sintomas que indicam um descontrole dos níveis de açúcar no sangue em ambos os tipos variam entre fome e sede constantes, diurese frequente, fraqueza, perda de peso, fadiga, náusea, formigamento nos pés e mãos, visão embaçada e demora na cicatrização de feridas. Estar atento aos primeiros indícios e contar com acompanhamento médico adequado é fundamental para tratar essa condição, que pode ser silenciosa e quando os sintomas surgirem, a doença já pode estar avançada. 
 
Embora seja uma enfermidade amplamente conhecida, os pacientes com diabetes ainda enfrentam estigmas sociais devido à equivocada associação da doença a uma dieta pouco saudável ou a um estilo de vida ocioso, entre tantos outros mal-entendidos espalhados, principalmente, nas redes sociais. Para a gerente médica de diabetes da Novo Nordisk, empresa líder global em saúde, Dra. Mônica Palmanhani, a disseminação de informações falsas e a propagação de preconceitos fazem com que os pacientes se afastem do tratamento adequado, colocando em risco a própria saúde. 
 
"Na internet, nem todos os profissionais que falam sobre o assunto são especialistas e buscar fontes confiáveis e a opinião médica é fundamental antes de seguir qualquer dica ou tratamento milagroso", afirma.
 
Pensando nisso, a Novo Nordisk, juntamente com a especialista, listou os principais mitos e verdades sobre a doença com o objetivo de propagar o conhecimento, prevenir complicações e salvar vidas. Confira abaixo: 
 
Só tem diabetes quem come doce
 
Mito. Muitas pessoas acreditam que os dois fatores estão conectados. Pacientes diagnosticados tendem a se assustar e questionar o resultado justificando que não consomem muito doce, porém, o excesso de açúcar não é a única condição para a manifestação da doença. Pessoas com diabetes tipo 1, por exemplo, já nascem com a doença, sem qualquer relação com a ingestão de doces. Já o mais comum, tipo 2, tem relação com vários fatores de risco que favorecem o surgimento da doença, como idade, sobrepeso, herança genética, obesidade, sedentarismo e até mesmo síndrome de ovários policísticos.
 
É fato que a má alimentação influencia e contribui para o aparecimento de doenças, mas, em se tratando de diabetes, o consumo de doces não é o único fator determinante para o diagnóstico. Todas as pessoas devem evitar o excesso de açúcar e manter uma dieta balanceada para a preservação de sua saúde. 
 
Estresse descontrola a glicemia
 
Verdade. Embora não seja responsável por ocasionar o diabetes, o stress, seja ele causado pelo cansaço, ansiedade, frustração ou qualquer outra razão é capaz de descompensar a glicemia, e deve ser um ponto de atenção aos pacientes. Por isso, possuir uma rede de apoio auxilia muito o tratamento. Estar rodeado de pessoas queridas proporciona confiança, momentos de descontração, alívio de preocupações e suporte afetivo, o que contribui na manutenção da saúde mental e torna a jornada do paciente mais leve.
 
O diabetes está controlado se uma ferida cicatriza
 
Mito. Relacionar o diabetes apenas à cicatrização acarreta um risco muito grande ao paciente. A falta de cicatrização de uma ferida e o perigo de amputação são os últimos e mais alarmantes sinais de que o diabetes está completamente descontrolado há muito tempo. 
 
Antes da dificuldade de cicatrização, é imprescindível estar atento aos primeiros sinais, como o aumento da frequência de urina, perda de peso, dormência nos pés, visão embaçada entre outros. Pequenos indícios já são indicativos de diabetes descontrolado e demandam o acompanhamento profissional adequado.
A prudência faz parte de todo tratamento, e aguardar a situação chegar nesse ponto para iniciar mudanças efetivas é colocar a vida em risco.
 
Pessoas com diabetes não podem doar sangue
 
Verdade, mas quando nos referimos a pessoas com diabetes tipo 1, dependentes de insulina, esses pacientes podem ter alterações do sistema cardiovascular e, em decorrência disto podem apresentar problemas durante ou logo após a doação.
 
Porém, para a maior parte das pessoas diagnosticadas com o tipo 2, essa afirmação é um grande mito. Para os pacientes com DM2 que não utilizam insulina no tratamento, que mantêm os níveis de glicemia controlados e não apresentam alterações vasculares, a doação pode ser realizada sem impedimentos.
 












Fechar


SnifBrasil é uma publicação

(11) 5533-5900 – dpm@dpm.srv.br
O conteúdo dos artigos assinados no site e no boletim SnifBrasil é de responsabilidade de cada um dos colaboradores. As opiniões neles impressas não refletem, necessariamente, a posição desta Editora.
Não é permitida a reprodução de textos, total ou parcial sem a expressa autorização da DPM.
Informações adicionais poderão ser solicitadas pelo e-mail editor@snifbrasil.com.br.
Qualquer problema, ou dificuldade de navegação poderá ser atendido pelo serviço de suporte SnifBrasil, pelo e-mail suporte@snifbrasil.com.br

Seu IP: 44.210.99.209 | CCBot/2.0 (https://commoncrawl.org/faq/)